Carregando Notícia
CuriosidadesNotícias

14 anos após crime, como vive Alexandre Nardoni é o sinal que, aqui se faz, e aqui se paga

O caso de Isabella Nardoni chocou o país inteiro, sendo um dos casos de maior repercussão da história

Sem dúvidas alguma, um dos crimes que teve a maior repercussão em todo país foi o da Isabella Nardoni, a tragédia foi uma notícia de grande repercussão na mídia internacional e foi capaz de comover pessoas de vários lugares do mundo, o crime aconteceu em 29 de março de 2008, em um prédio residencial na Rua Santa Leocádia, 138, Zona Norte de São Paulo.

PUBLICIDADE

O que ocorreu foi algo simplesmente inimaginável, nenhuma pessoa tinha ideia que algo do tipo poderia acontecer, as pessoas ficaram bem chocadas com a história de que o próprio pai foi o autor do delito que acabou tirando a vida da sua própria filha, a pequena Isabella de apenas 5 anos.

Mais de 14 anos se passaram após o crime, mas, ainda não foi concluído o caso pela justiça, o que acaba deixando as pessoas bastante indignadas. Apesar de já ter passando 14 anos, a imagem da menina Isabella Nardoni não sai da memória das pessoas que a conhecia e até mesmo de quem viu a notícia no tempo, pois saiu nos principais jornais do país.

O pai Alexandre Nardoni e a madrasta Ana Carolina Jatobá, foram considerados culpados pelo crime. Alexandre foi condenado a 31 anos, 1 mês e 10 dias de prisão. Já a madrasta, Anna Carolina pegou 26 anos e 8 meses de prisão, ambos em regime fechado, mas em hipótese alguma eles assumiram a autoria do crime, que acabou tirando a vida de Isabella Nardoni.

Segundo o depoimento do casal, Isabella Nardoni teria sido empurrada por criminosos que queria assaltar o prédio, e foram eles que empurraram a criança pela janela do Prédio. Mas, a Polícia investigou, e concluiu que a menina foi agredida pela madrasta antes de ser jogada pelo pai pela janela. E também comprovaram que não teve nenhum assalto no lugar ou nas proximidades no dia do ocorrido.

Aos 41 anos de idade, Alexandre é graduado em Direito e atuava na função de advogado antes de cometer o crime. Na prisão, Alexandre teve várias funções, como: Faxineiro, Ajudante geral, Apoio em lavanderia e também Ajudante de jardinagem. O réu findou sua influência, em hipótese alguma, ele poderá atuar na carreira de advogado, além disso, ele segue com um enorme peso na consciência e na pandemia, ele tem a obrigação de dormir na prisão.