Auxilio Emergencial 2021: saiba como consultar se você vai receber as parcelas

Após a divulgação do calendário de pagamentos do auxilio emergencial, muitas pessoas ficaram em dúvidas se vão ou não receber as parcelas em 2021. Para isso o governo liberou a partir de hoje a consulta oficial pelo Portal de Consultas do Dataprev (https://consultaauxilio.cidadania.gov.br/consulta/) Para isso é necessário que a pessoa informe seus dados como CPF, nome completo, nome da mãe e data de nascimento para saber se está elegível ao recebimento.

Beneficiários do Bolsa Família e inscritos no CadÚnico devem ficar atentos, pois, não poderão consultar pelo site, já que será depositado automaticamente as parcelas para esse grupo de pessoas caso estejam elegíveis para receber.

Nesse ano serão pagas 4 parcelas que variam de 150 a 375 reais, sendo 150 para pessoas que moram sozinhas, 250 para uma família composta por pai e mãe ativos, 375 para famílias dependentes somente da mãe.

Somente uma pessoa da casa poderá receber a parcela em 2021. Os pagamentos seguem como ano passado, primeiro para uso digital no aplicativo e depois poderá ser sacado em lotéricas e etc.

+  Caso Mariana Ferrer: Ataques contra a blogueira geram grande indignação na web

O calendário oficial informou que os pagamentos para não beneficiários do bolsa família começa dia 06 de abril, já para o bolsa família a partir do dia 16 desse mês.

Segundo a caixa essas pessoas não terão direito de receber:

-Tenha emprego formal ativo;
-Receba benefício previdenciário, assistencial ou trabalhista ou de programa de transferência de renda federal, ressalvados o Abono–Salarial PIS/PASEP e o Programa Bolsa Família;
-Tenha renda familiar mensal por pessoa acima de meio salário-mínimo;
-Seja membro de família que tenha renda mensal total acima de três salários mínimos;
-Seja residente no exterior, na forma definida em regulamento;
-No ano de 2019, tenha recebido rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 (vinte e oito mil, quinhentos e cinquenta e nove reais e setenta centavos);
-Tinha, em 31 de dezembro de 2019, a posse ou a propriedade de bens ou direitos, de valor total superior a R$ 300.000,00 (trezentos mil reais);
-No ano de 2019, tenha recebido rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma foi superior a R$ 40.000,00 (quarenta mil reais);
-Tenha sido incluído, no ano de 2019, como dependente de declarante do Imposto sobre a Renda de Pessoa Física enquadrado nas hipóteses previstas nos incisos VI, VII ou VIII, na condição de:
Cônjuge;
-Companheiro com o qual o contribuinte tenha filho ou com o qual conviva há mais de 5 (cinco) anos; ou
-Filho ou enteado:
Com menos de vinte e um anos de idade; ou
Com menos de vinte e quatro anos de idade que esteja matriculado em estabelecimento de ensino superior ou de ensino técnico de nível médio;
-Esteja preso em regime fechado ou tenha seu CPF vinculado, como instituidor, à concessão de auxílio-reclusão;
-Tenha menos de 18 anos, exceto no caso de mães adolescentes;
-Possua indicativo de óbito nas bases de dados do Governo Federal ou tenha seu CPF vinculado, como instituidor, à concessão de pensão por morte;
-Esteja com o Auxílio Emergencial, ou o Auxílio Emergencial Extensão cancelados no momento da avaliação de elegibilidade do Auxílio Emergencial 2021;
-Não tenha movimentado os valores disponibilizados plataforma social, para o público do Bolsa Família, ou na poupança social digital aberta, conforme definido em regulamento, relativos ao Auxílio Emergencial;
-Seja estagiário, residente médico ou residente multiprofissional, beneficiário de bolsa de estudo da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Capes, do Programa Permanência do Ministério da Educação – MEC, de bolsas do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPQ e de outras bolsas de estudo concedidas em nível municipal, estadual ou federal.

+  Mais de 40 mulheres denunciam dentista após procedimentos estéticos; Fotos mostram rosto deformado

PRÓXIMO ARTIGO →

Deixe um comentário