Bizarro! Homem é velado dentro de um bar com sua musica preferida tocando e bebida a vontade

Realmente na nossa vida há apenas uma certeza que sabemos que é certa: a morte. E o momento do velório de pessoas que faleceram, quase sempre, é um episódio bem solene, que ocorre com bastante cuidado – até mesmo por conta que será a última vez que o corpo daquela pessoa será visto – 

Fazendo uma rápida pesquisa em qualquer site da internet, conseguimos encontrar centenas de vídeos que ocorreram em velórios que entraram literalmente para história. São pessoas que de uma maneira diferenciada, decidiram homenagear os seus entes queridos durante tal momento. Mas sabemos que em meio a milhares de vídeos, sempre há um que terá mais destaque, que é o caso desse vídeo que viralizou aqui brasil.

+  Vídeo: Mari Ferrer aparece sendo levada pelo empresário e causa revolta na web

O velório que entrou para história ocorreu adivinha onde? exatamente, dentro de um bar, mas claro, teve um motivo bem especial para que isso ocorre. O defunto chamava-se Senhor Jacintinho, ele era bem querido e amado na comunidade onde ele vivia, além que, ele era bastante conhecido na cidade onde ele morava. João Cristóvão, de 57 anos, teve um velório um pouco quanto peculiar. Ele era dono do bar do João Ladrão, ele acabou tendo um infarto fulminante na última quarta-feira. 

+  Caso Mariana Ferrer: Ataques contra a blogueira geram grande indignação na web

Pensando em como homenagear o morto, decidiram reunir os amigos e familiares e realizar o velório dentro de um bar, ao som de músicas bregas e muita bebida.

A música escolhida para tocar em quase todo o velório foi a canção "vida errada", do galã do Brega, era a música que Cristóvão mais gostava.

Um amigo próximo dele falou como ele era:

+  Família presta queixa contra escola após menina ser encoberta na propaganda "Ela era a única negra"

“Para os amigos, ele dava bebida e fazia panelada de tira-gosto porque ele não gostava de ficar só, valorizava ter pessoas perto. O propósito dele era alegrar. Era muito querido pela população periférica”.

 

Bizarro, né?


PRÓXIMO ARTIGO →

Deixe um comentário