Bolsonaro revela novo substituto do auxílio emergencial; confira os valores

O atendimento emergencial é um benefício do governo federal para ajudar os brasileiros vulneráveis ​​à nova pandemia do coronavírus, que se tornou a mais preocupante ameaça à saúde humana.

O presidente brasileiro Jair Messias Bolsonaro determinou desde o início que o pagamento seria feito em três parcelas, no valor de 600 reais.

Na expansão, é certo que o beneficiário receberá mais três parcelas de R $ 300,00.

Agora, com a possibilidade de uma segunda onda da COVID-19 no Brasil, os líderes do governo federal e do Ministério da Economia iniciaram negociações com o Congresso para desenvolver um novo plano social.

+  Tragédia: mulher e duas crianças morrem em acidente causado por motorista bêbado e sem CNH

Portanto, sua intenção é substituir a assistência emergencial em 2020. Segundo a notícia, a proposta será encaminhada ao presidente Bolsonaro para que possa ser lançada o mais rápido possível.

A expectativa é de que, após o segundo turno eleitoral, haja negociações sobre a agenda fiscal do governo para que as pessoas possam receber o mais rápido possível à renda dos cidadãos. O plano deve substituir o atendimento emergencial e o Bolsa Família.

+  URGENTE - Assalto a banco aterroriza Cametá-PA

Como sabe o ministro da Fazenda Bruno Funchal , o governo federal estuda como obter os recursos necessários para pagar a renda do cidadão, que varia de R $ 200,00 a R $ 300,00.

O presidente disse esta semana que espera não haver necessidade de renovar a ajuda.

Na última sexta-feira Bolsonaro conversou com alguns colegas, o presidente reafirmou que o mundo teve uma “terrível onda de pânico” em relação ao coronavírus.

+  Gás de cozinha pode chegar a R$ 200 ainda neste ano

 

“Agora o pessoal fez uma onda terrível ali. Realmente [a covid-19] matou gente? Matou. A gente sabe disso. Lamentavelmente morreu muita gente, né? Mas fizeram uma onda terrível, um pânico na população. Tem pessoas idosas que estão dentro de casa até agora”, declarou.

Segundo dados do Ministério da Saúde, o vírus já infectou 6,2 milhões de pessoas no Brasil e causou cerca de 172 mil mortes.

 


PRÓXIMO ARTIGO →

Deixe um comentário