Brasil “reza” pelo estuprador João de Deus, que está internado em estado grave


O médium João Teixeira de Faria, conhecido como João de Deus, 79, está em estado grave na unidade de terapia intensiva de um hospital sírio-libanês em Brasília, para onde foi transferido na madrugada de sábado, 24 anos, após se sentir mal e desconfortável no peito. O departamento de saúde descartou a possibilidade de infecção por COVID-19 e concluiu que o quadro é estável, mas reforçou a necessidade de hospitalização


João de Deus luta com um problema cardiovascular agudo, toma medicamentos para controlar o seu quadro clínico e é monitorizado por médicos 24 horas por dia. A pedido da família, o hospital não divulga informações sobre o estado do paciente na companhia da equipe do cardiologista Carlos Rassi.

+  'BBB 21': Gil coloca Arthur contra a parede e questiona o que ele quer com Carla Diaz

A informação mostra que João de Deus está ciente. Suas despesas médicas são cobertas pelo plano de saúde. Não há prognóstico de alta ou saída da UTI.

O médium acumula 63 anos e quatro meses de pena

João de Deus cumpre 63 anos e quatro meses em três penas diferentes: estupro de cinco mulheres (40 anos em regime fechado), estupro sexual por fraude contra duas mulheres e estupro de desamparado contra duas outras mulheres (19 anos e regime fechado) ) e posse ilegal de armas (quatro anos em regime aberto). O meio nega as acusações de abuso sexual.

+  EX-BBB recebeu apenas 36 votos nas eleições

João de Deus já esteve no hospital de Anápolis, Goiás, nesta sexta-feira, onde está em prisão domiciliar. Devido à deterioração do estado de saúde, teve que ser transferido para o Sírio, na capital federal.

O médium está em prisão domiciliar desde março, quando a juíza Rosângela Rodrigues dos Santos autorizou a transferência por ser preso em situação de risco por COVID-19. Ele é obrigado a usar uma pulseira e não pode entrar em contato com testemunhas e vítimas.

+  'BBB 21': Fiuk vai aos prantos no banheiro após se deitar com Thaís e internautas ficam preocupados

O Tribunal de Justiça de Goiás ainda não emitiu autorização para sair da área de prisão domiciliar. No entanto, em caso de emergência, o juiz permite que o preso denuncie a hospitalização posteriormente.


PRÓXIMO ARTIGO →

Deixe um comentário