Casal denuncia casos de necrofilia no Brasil e são ameaçados de morte

Ultimamente, algumas denúncias envolvendo necrofilia foram feitas. O Ministério Público, com a polícia federal, estão em uma investigação para identificar os abusos que estão sendo feitos em cadáveres nos institutos médicos legais em todo o Brasil.

Um casal acabou trazendo à tona o que é chamado de ‘festa do IML’, onde os abusos aconteciam. Nina Maluf e Vinícius Cunha vem sofrendo ameaças por conta do que foi exposto, pela situação absurda. Nina garante que os abusos acontecem nessa festa nas funerárias. Até mesmo imagens começaram a ser circuladas na internet, onde mostravam mulheres mortas sendo abusadas.

+  Mulher é agredida a socos e cabeçada por companheiro; veja vídeo

O casal que denunciou os abusos alertou as autoridades, que agora estão em busca de todas as pessoas envolvidas em tais crimes por todo o país. Algumas pessoas já foram identificadas, mas nada foi feito, e até mesmo piadas sobre o caso e a repercussão foram feitas, quase 3 meses após as denúncias. Nina afirma que sua denúncia e exposição só foi prejudicial para ela, porque os criminosos não foram punidos até então.

+  Profissionais de saúde serão os primeiros a receber a vacina do Covid-19: Confira as etapas

O caso gerou revolta no país, mas a justiça ainda não tomou as providências cabíveis às pessoas que já puderam ser identificadas. O casal é dono de uma funerária, mas ao que parece, a polícia ignorou a denúncia feita por eles.

A polícia federal preferiu não se pronunciar sobre o assunto e nem dar detalhes sobre a investigação que está sendo feita sobre os casos em questão. A pena para quem comete tais atos contra um cadáver podem chegar a 3 anos de reclusão seguido de multa.

+  Roger Abdelmassih é atacado por preso que teve a irmã estuprada

Muitas pessoas fizeram piadas do caso, dizendo ser fake News, mas Nina garante que fotos de mulheres bonitas, mortas por acidente ou suicídio, estavam sendo violadas nas funerárias e IML.

O caso gerou revolta e muitas mulheres compartilharam em prol da justiça pelas mulheres que nem mesmo mortas foram respeitadas.


PRÓXIMO ARTIGO →

Deixe um comentário