Em comunicado na TV CEO do Carrefour no Brasil pede desculpas pela morte do homem negro


O CEO do Grupo Carrefour no Brasil, Noel Prioux, falou neste sábado (21 de novembro de 2020) sobre a morte de João Alberto Freitas, 40, o conhecido como Beto, que foi assassinado enquanto abordava o segurança de uma loja. empresas em Porto Alegre na noite desta quinta-feira (19 de novembro de 2020). O depoimento foi veiculado inicialmente na TV Globo durante o intervalo do Jornal Nacional e posteriormente duplicado na internet. Em pouco mais de um minuto, Prioux e o vice-presidente do grupo, Recursos Humanos João Senise, constataram que o caso de João Alberto não refletia os valores da empresa.

+  Ex-fiscal do carrefour diz que o uso de violência era autorizado no local

O gerente geral do Grupo Carrefour no Brasil, Noel Prioux, falou nesta reunião. Prioux pediu desculpas à família de João Alberto. Ele classificou o espancamento como uma tragédia e disse que não foi capaz de entender a magnitude do caso. “O que aconteceu na loja Carrefour foi uma tragédia de dimensões incalculáveis ​​além da minha compreensão como branco privilegiado que sou. Por isso, antes de mais nada, os meus sentimentos pela família de João Alberto e as minhas desculpas aos nossos clientes, sociedade e colaboradores ”, disse Prioux.

+  Fim dos tempos: Japão aprova cruzamento genético entre humanos e animais

Senise disse que mais da metade dos funcionários do Carrefour no Brasil são negros. Ele também garantiu que mais de 30% dos gestores se autodeclararam pretos ou pardos. “O que aconteceu em nossa loja não representa quem somos ou nossos valores. Cinquenta e sete por cento de nossos funcionários são pretos e negros, e mais de um terço de nossos gerentes se autodenominam pretos ou pardos. Porém, estamos cientes de que precisamos de ações mais específicas e efetivas para fortalecer nossa cultura da diversidade ”, afirmou.

+  Caso Ísis Helena: Hoje começa a audiência de instrução

No filme, Prioux afirmou ainda que a morte de João Alberto seria um estímulo ao compromisso da empresa com o combate ao racismo estrutural no Brasil. “Estou fortalecendo minha dedicação a todas as famílias brasileiras. Se temos essa crise, é porque temos a responsabilidade de mudá-la na sociedade. A morte de João Alberto não pode ser em vão. É por isso que hoje estamos comprometidos com a luta contra o racismo estrutural. Nos próximos dias, vamos mantê-los informados sobre todas as nossas iniciativas e em um comitê dedicado. Desculpe novamente, ele disse.

 


PRÓXIMO ARTIGO →

Deixe um comentário