“Havia relações sexuais entre todos”, afirma delegada sobre família Flordelis

Durante audiência de sexta-feira à tarde (13) sobre o suposto envolvimento da deputada federal Flordelis dos Santos na morte de seu marido, pastor Anderson do Carmo, a delegada Bárbara Lomba, responsável pela primeira fase da investigação, disse que houve relação sexual entre vários familiares, quando moravam na favela do Jacarezinho no Rio. A informação é do jornal O Globo.

+  LUTO: Cantora Vanusa morre aos 73 anos

“Havia relações entre todos. Flordelis não era apenas parente de Anderson, e Anderson não era parente só dela (Flordelis) ”, disse o delegado, descrevendo aspectos da família que chamaram sua atenção para ela durante a investigação do assassinato.

O delegado foi a segunda testemunha de acusação a ser ouvida na audiência, durante a qual o deputado se atrasou 45 minutos e foi mesmo repreendido pelo desembargador Nearis dos Santos.

De acordo com o relatório, o delegado detalhou as relações entre os membros da família. Bárbara diz que a informação foi repassada informalmente a ela por Flávio dos Santos, filho biológico de Flordelis.

+  Mulher embriagada vomita em carro de aplicativo é empurrada para fora

“O Flávio disse que era rebelde com as relações que via (em casa). Os relatos foram baseados em mentiras. A lógica familiar estratégica foi estabelecida e as fachadas tiveram que ser montadas. Muitas coisas que aconteceram lá não poderiam ter acontecido ”, disse o delegado.

Bárbara disse ainda que o deputado “escolheu” Anderson, que viera para a casa dos Flordelis ainda adolescente, para ser seu marido porque estaria “mais bem preparada” para o trabalho.

O delegado, Allan Duarte, responsável pela segunda fase da investigação, testemunhou perante o delegado. Ele estava falando no mesmo sentido que Barbara.

+  Novas revelações chocantes sobre o mega assalto em SC

“Eles (Flordelis e Anderson) se apresentaram como um casal amoroso à sociedade, mas no escuro era completamente diferente”, disse Allan.

Durante seu depoimento, Flordelis negou qualquer envolvimento no crime. “Eu não deixei meu marido matar. Eu nunca faria isso, disse ele. Uma deputada federal não foi presa porque tem imunidade parlamentar, mas foi processada por violação de decência na Câmara e pode perder o seu assento. Flordelis usa uma tornozeleira eletrônica.


PRÓXIMO ARTIGO →

Deixe um comentário