in

Homem gasta R$ 3 mil para colocar presas e resultado é chocante

Ele tem 41 anos, oito piercings, língua bifurcada, 80% do corpo coberto de tatuagens e acaba de investir pouco mais de R $ 2.900 em um par de presas. O tatuador brasileiro identificado com o Orc é fã da modificação corporal e há seis anos vem se transformando na versão humana dos personagens de “O Senhor dos Anéis” ou, mais recentemente, na adaptação de jogos para o cinema “Warcraft”.

O morador do Iguatemi, no Mato Grosso do Sul, ganhou fama internacional por sua aparência diferenciada. “Tento ser eu mesmo, essas são minhas ideias, minha inspiração vem do coração”, diz ele.

Segundo o tatuador, a originalidade tem um preço: nem todo mundo aprova seu estilo. “Minha mãe não gosta, meu pai tolera e meus amigos acham estranho.”

Somente se não vier de entes queridos, a aprovação virá de estranhos. “Eles me dizem coisas boas que me fazem continuar”, diz Orc no Daily Mail.]

Ele também diz que fez sua primeira tatuagem quando tinha 15 anos, mas que as modificações corporais só aconteceram quando ele tinha 35. Hoje, além das presas, já existem oito piercings subcutâneos (inseridos sob a pele para imitar os chifres), olhos tatuados e uma língua bifurcada. Além disso, é claro, quase todo o corpo é pintado. Pare? Isso não está nos planos.

“Estas são apenas minhas ideias, inspiração do coração”, disse o Daily Mail. O artista também disse que em seu círculo íntimo geralmente não recebe muitos elogios. “Minha mãe não gosta, meu pai tolera e meus amigos acham estranho”, disse ele.

Ela diz que recebe comentários positivos de outras pessoas sobre sua aparência única. “Eles me contam coisas boas que me motivam a continuar. Pessoas más existem em todos os lugares e estão sempre por perto, mas elas não me abalam ”, relatou. Ele acrescentou: “Viva, seja feliz, viaje, ame. Faça o que você quiser.

A vida passa rápido e a morte é certa.

Na maior obra de J. R. R. Tolkien, O Senhor dos Anéis, os orcs são seres sombrios que ajudam o vilão Sauron em seus planos para dominar a Terra-média. Em “Warcraft”, a adaptação do jogo “World of Warcraft”, personagens populares são retratados como seres que podem ser bons e maus, como os humanos.