Homem morde cachorrinha e diz que ela começou a briga


Um caso um tanto quanto inusitado chamou a atenção dos internautas nesta sexta-feira 13, um homem de 33 anos atacou a mordidas uma cadelinha pudlle que pertence aos seus vizinhos.


De acordo com as testemunhas que presenciaram a cena, o homem pulou por cima de uma pequena cerca com aproximadamente 1 metro de altura e começou a morder o bixinho que brincava no pátio da casa.

O dono da cadilha de nome Bub, chamou a polícia local que se deslocou até a casa do acusado, quando questionado o motivo que o levou a morder a cadelinha o homemdisse que ela que havia começado a briga.

+  Família crema parente, que surge em casa horas mais tarde com vida

Segundo a irmão de John Sforth, ele sofre de problemas mentais desde de criança, ela ajuda o pai a cuidar de John que teria  apresentado problemas mentais ainda muito cedo, aos 10 anos de idade.

John foi preso e liberado após pagar uma fiança no valor aproximado de R$ 27 mil, Mas no entanto ele ainda deve responder a um processo movido pelo dono do animal.

+  Doze camelos são expulsos de concurso de beleza e motivo deixou todos espantados

O caso repercutiu na cidade Americana de Alba que fica no Texas, EUA , essa não seria a primeira vez que John atacou um animal, a cerca de dois anos ele teria chtado um gato quando estva em viagem para ir até a casa de seu avô no Estado de Oklahoma , na época embora o caso tenha ido para também na polícia, a dona do gato retirou a queixa após saber a situação de saúde do homem que na época tinha 31 anos.

+  Mãe tira foto de seus filhos e fica assustada com "aparição misteriosa"

A cadelinha pudlle passou pelo veterinário no último dia 13 de novembro e já foi para a sua casa, o dono da cadelinha quer que John e sua família se mudem de endereço após o incidente, segundo ele seus filhos, um casal de gêmeos está com medo de John.

O caso deve ir para nos tribunais nos próximos dias em meio uma série de acontecimentos que estão dando o que falar lá pelo EUA desde que Trump perdeu as eleições.  


PRÓXIMO ARTIGO →

Deixe um comentário