in

Jovem ameaça de morte primeira vereadora negra eleita em Joinvilhe e causa revolta

A morte do homem negro João Alberto no supermercado Carrefour levantou muitas polêmicas e debates por todo país. Diversos casos começaram a aparecer e ser amplamente divulgado na mídia.

O caso gerou muita revolta por todo pais e até mesmo autoridades e famosos decidiram opinar em suas redes sociais, e isso chamou mais ainda atenção da sociedade sobre o crime de racismo. A assassinato brutal e covarde do rapaz na frente da sua esposa é o assunto mais falado do momento.

No entanto, outro caso que está chamando a atenção, é de um jovem de 22 anos acusado de ameaça a vereadora negra eleita de Joinville, no Norte de Santa Catarina, Ana Lúcia Martins (PT) na última semana. Na manhã deste domingo (22), agentes cumpriram um mandado de busca e apreensão na casa do suspeito. O mesmo foi interrogado, mas continua solto.  


De acordo com Cláudia Gonçalves, delegada titular da Delegacia de Proteção à Criança, ao Adolescente, à Mulher e ao Idoso (DPCAMI), o rapaz sofre de problemas psiquiátricos e mora com a mãe.

Polícia Civil consegue identificar homem suspeito de ter ameaçado vereadora negra

A vereadora Ana Lúcia é a primeira negra a ser eleita na cidade e foi vítima racismo logo após o resultado das eleições 2020. Segundo investiações, um perfil teria sugerido matar a vereador eleita para que o suplente branco pudesse assumir a cadeira no legislativo municipal. No entanto, publicação racista já foi apagada.

“Ele tem esquizofrenia, então provavelmente ele vai passar por procedimento em sanidade. A atuação será em conjunto com o Ministério Público para comprovar autuação”, comentou a delegada nesta manhã, logo após a realização da operação.

A realização do mandado aconteceu no bairro Paranaguamirim, região 
sul do município. Ainda segundo as investigações, o que tudo indica é que ele tenha agido sozinho ao fazer as postagens pelas redes sociais. no entanto, acredita-se que possa haver mais envolvidos e o caso segue em investigação: “Talvez tinha gente por trás”, afirmou a delegada.

No mínimo foram identificadas quatro mensagens contra a vereadora que foram publicadas na terça-feira (16). Um dos comentários diz: “Agora só falta a gente m4t4r el4 [sic] e entrar o suplente que é branco”.