Jovem que comeu páginas da Bíblia e matou mãe diz não acreditar no que fez

Paulo Henrique da Silva Faria, 23 anos, com fendas no peito e na barriga, ainda não consegue acreditar no que fez. O caso aconteceu em São Gonçalo, no Rio de Janeiro. Preso em uma prisão compartilhada, a família diz que o jovem ainda não tem data de transferência para uma prisão psiquiátrica, apesar de ter um relatório médico que indica uma doença mental.

Paulo Henrique matou sua mãe, Paula Valéria da Silva Faria, 40, após comer folhas bíblicas e disse que ia curá-la de um câncer no peito. O jovem repetiu esse comportamento por duas semanas, e a família até procurou ajuda médica várias vezes. No entanto, eles não conseguiram internar o menino.

+  Jovem de 22 anos é executado a tiros por homens no domingo de eleições

Na madrugada do dia 27 de julho, na comunidade de Pombal em Porto Novo, São Gonçalo, um jovem matou sua mãe. Ele cortou o peito e a barriga do cuidador, e quando sua tia chegou ao local, ele disse que havia curado o câncer de sua mãe. Mesmo completamente louco, o jovem foi linchado pelos habitantes locais. Ele ficou internado por um mês em estado muito grave e, após se recuperar, foi transferido para a prisão.

+  Homem mata madrasta a facadas após não conseguir dinheiro para comprar drogas

Depois de todo esse tempo, a família conseguiu visitá-lo há apenas uma semana. Ele ainda não fala bobagens e ainda não acredita que sua mãe está morta. Ele não entende como isso aconteceu ”, disse um parente do jovem. A família também observa que entende a importância de pagar pelo ato, mas espera a aplicação da lei e que tem o direito de pagar pelo tratamento. “Ele deve estar preso em uma prisão psiquiátrica.

+  Mãe é presa por esconder corpo da filha dentro da panela de pressão e fingir sequestro

Cuide-se e tome remédios, com a supervisão de um médico ”, disse o familiar do acusado responsável pelo assassinato. A acusação respondeu na anotação que “O resultado da prova de sanidade já consta da instrução sobre este assunto. De acordo com as últimas movimentações, o tribunal encaminhou o caso para manifestação de defesa e ontem, dia 16, para o gabinete do procurador. Depois que a demonstração termina, ela vai para o tribunal.


PRÓXIMO ARTIGO →

Deixe um comentário