Jovem que estuprou japonesa antes de matá-la revela detalhes ainda mais chocantes sobre o crime


Resultado de investigação criminal em Goiás revela que Hitomi Akamatsu, 43, japonesa achada já em decomposição em uma  cachoeira de Abadiânia, A delegada Isabella Joy prestou depoimento sobre  o crime, ela relata que o criminoso estuprou Hitomi antes de matá-la.


Rafael Lima da Costa, de 18 anos negava ter cometido o crime de estrupo, mas após novos questionamentos pelo policiais ele acabou confessando o crime por alegar que a vitima não tinha bens materiais valiosos.

“Ele disse que resolveu estuprá-la porque ela estava ali na cachoeira, de biquíni, e não tinha nenhum objeto valioso para ser roubado”, contou a delegada.
O que deixou a delagada e todos chocados foi o detalhe do crime que ele mesmo relata:
“Ele ejaculou no rosto da vítima e então a matou”.

+  Mourão: não existe racismo no Brasil, assassinato no supermercado não foi racismo

A delegada ainda conta que Rafael se mostrou frio durante todo esse tempo de investigação e não mostra nenhum sinal de arrependimento, quando menor de idade ele já cometeu 2 crimes semelhantes ao atual. ele diz ” não conseguir se controlar”.

O perpetrador alegou anteriormente ter matado Hitomi por enforcamento. No entanto, estudos feitos por especialistas do Instituto de Medicina Legal (IML) mostraram uma fratura no crânio causada por um objeto contuso.

+  Quem era João Alberto Freitas, homem negro espancado e morto no Carrefour

Rafael Lima será acusado de furto, estupro e ocultação e pode pegar até 43 anos de prisão se for condenado.

‘Acreditamos que ela se mudou para o Brasil no intuito de participar de projetos espirituais. Segundo relatos, ela deixou o Japão após sobreviver a um acidente em uma fábrica em Fukushima, por isso procurou ajuda ”, explica o editor-chefe Albert Peixoto.

+  Homem abusa de criança e diz ser "Fascinado por crianças"

Hitomi frequentava os serviços espirituais oferecidos pela casa Dom Inácio Loyola, local famoso onde contem figuras importantes como , João de Deus. A corporação, porém, não relaciona a morte do estrangeiro com a investigação envolvendo o meio anterior.

Rafael revelou aos policiais que precisava de dinheiro pois tinha dividas com compras de drogas na região, os traficantes o cobravam levando ele a cometer crimes, como foi o caso fatal de Hitomi .


PRÓXIMO ARTIGO →

Deixe um comentário