Jovem que matou 5 em escola está internado em estado grave

O responsável pelo ataque violento que tirou a vida de 5 pessoas, deu entrada em um hospital em estado grave nesta terça-feira, Fabiano Kipper Mai de 18 anos de idade, assassinou brutalmente 5 pessoas a facadas, e virou notícia em todo o Brasil. O crime chocou toda a população e revoltou até os policiais mais experientes.

O atentado que deixou 3 crianças, 1 professora e mais uma colaboradora da creche mortas, fez com que Fabiano Kipper Mai tentasse tirar sua vida, de acordo com o relatório da polícia local. O caso que aconteceu em Santa Catarina virou notícia em todo o país.

+  Mulher faz festa para comemorar divórcio: 'Estou livre como o vento'

O rapaz tentou se matar enquanto ainda estava na escola, segundo os médicos ele esfaqueou o próprio pescoço e a barriga com a arma do crime, agora ele segue internado na UTI do Hospital de Pinhalzinho. Investigadores da polícia civil apreenderam um computador, “objetos estranhos” e R $11 mil em espécie na casa do suspeito. 

Ainda não foi revelado o que poderia ter motivado o rapaz a executar tal crime, segundo as autoridades os especialistas tentam traçar um perfil psicológico do rapaz. Jerônimo Marçal Ferreira, responsável pela investigação, revelou que Fabiano era uma pessoa tranquila e ficava muito tempo em casa.

+  Vídeo: Marido flagra amante só de cueca e confusão acaba no meio da rua

“Ainda não temos o histórico pessoal dele”, mas todos revelaram que ele era uma pessoa tranquila.  Jerônimo Marçal, contou como tudo aconteceu, e deixou todos espantados, “Ele começou atacar a professora, que correu para uma sala onde estavam as crianças”. O ataque aconteceu na Escola Infantil Pró-Infância Aquarela.

De acordo com as autoridades locais o jovem usou uma adaga para matar as crianças e a professora, o ataque que até o momento não possui um motivo aparente deixou toda a população em luto e indignada com o ataque violento. As crianças da escola ficaram apavoradas e ainda estão em choque.

+  Candidato acusado de estuprar cadelinha é encontrado sem vida

Keli Adriane Aniecevski, de 30 anos, era professora da creche, Mirla Renner, de 20 anos trabalhava como educadora.


PRÓXIMO ARTIGO →

Deixe um comentário