Líder de seita sexual foi condenado a mais de mil anos de prisão na Turquia

Adnan Oktar é o líder de uma seita que prega práticas sexuais considerada pela maioria das pessoas como imoral. Sua seita é acusada de apoiar práticas como a agressão sexual e abuso sexual de menores, fraude, sequestro, extorsão além de acusações de praticar espionagem política e militar contra o governo.

Além de Adnan Oktar, que tem 64 anos, dezenas de membros da seita foram presos em uma mega operação policial que ocorreu naquele país para desarticular a suposta quadrilha de criminosos.

Ao todo a condenação de Adnan Oktar soma um total de 1.075 anos de prisão. As prisões de membros da seita vinha ocorrendo desde de 2018 e com a prisão destes últimos membros, e com a condenação de seu líder o governo acredita ter eliminado por completo a seita do país.

+  Funcionário de hospital encontra rato cozido dentro de seu sanduíche

Em um programa que o líder espiritual mantinha em seu canal de TV ele pregava visões conservadoras, segundo as informações, Adnan mantinha uma harém particular no qual suas mulheres eram submetidas a diversas cirurgias plásticas as quais ele mesmo definia qual deveriam ser realizadas.

De acordo com o testemunho de um ex-integrante da seita, as cerca de 1000 mulheres mantidas no seu harém eram obrigadas a manter relações com membros da cúpula da seita, além de serem usadas para pagar favores políticos.

+  Saiba toda a verdade sobre Beto Freitas Pai de 4 filhos, vizinho do mercado onde foi morto

Entre as ideologias pregadas por Adnan que eram supostamente conservadoras, ele defendia que o mundo está próximo de ser destruído por Alá.

Contudo na base oculta de sua seita ele defendia que a orgia podia ser praticada pelos seus membros do sexo masculino e que as mulheres só estão no mundo para satisfazer os desejos dos homens, não importa quais sejam.

Adnan é acusado também de sequestrar meninas com idades entre 12 e 15 anos para que elas fossem submetidas aos desejos de membros de sua seita ou até mesmo para serem usadas novamente no pagamento de favores políticos.

+  Homem curado do coronavírus revela que ouviu médico o dando como morto; "caso perdido"

O homem foi acusado por uma mulher de cometer diversos estupros e de obrigar as mulheres a tomarem pílulas abortivas ou até mesmo realizarem abortos.

Em sua casa foi encontrada uma enorme quantidade de pílulas abortivas e anticoncepcionais, porém, em sua defesa ele alegou que as pílulas eram usadas para tratamento hormonal.

Adnan era considerado um dos 50 mulçumanos mais influentes no mundo, sua prisão pegou a comunidade mulçumana de surpresa em especial pelas fortes acusações que são realizadas contra ele.


PRÓXIMO ARTIGO →

Deixe um comentário