in

Mãe dos rapazes que foram mortos por roubar carne desabafa: “Meu filho morreu com fome porque não teve coragem de me pedir comida”

Todos ouviram a história dos dois rapazes que foram mortos pelo tribunal do crime, depois que roubaram carne em um mercado chamdo Atakarejo. A dupla foi entregue para traficantes pelos seguranças do estabelecimento e depois disso seus corpos foram encontrados flagelados e alvejados em um carro abandonado.

A família de Yan e Bruno, seguem revoltados com o caso e buscam justiça. Dionésia Pereira Barros era mãe de Bruno e avó de Yan, a idosa chegou a ceder uma entrevista chorando copiosamente pela perda de seus entes queridos.

“Matar meu filho, o que foi que meu filho fez? Meu filho morreu com fome porque não teve coragem de me pedir comida, ele não morava comigo, não. As meninas estão aí de testemunhas. ‘Tia, estou com fome.’ ‘Vai pedir a sua mãe.’ Porque ele não era de comer assim, sabe?”, revelou a idosa.

A história dos dois homens mortos acabou viralizando na web, e rendeu o que falar, agora uma pessoa afirma que presenciou os seguranças entregando os rapazes, para homens armados em um carro atrás do mercado.

O desabafo da mãe de Bruno gerou grande comoção e pegou todos de surpresa. “Eu estou passando muito mal, mas eu vou falar. Eu quero perguntar a eles, minha filha, se eles viram alguma escopeta lá junto daquelas carnes. Eu sei que meus filhos erraram, mas eles não eram Deus para entregar meu filho para morte. O segurança do mercado deu meu filho para a morte, deu de bandeja para o Satanás”, disparou Dionésia Barros.


 
Na última semana, a mãe de Bruno revela que seu filho chegou a implorar para ficar vivo, porém os bandidos foram imparciais e torturam tio e sobrinho e depois os exterminaram como se eles não fossem nada. Segundo relatos, os 4 pacotes de carne davam por volta de 700 reais e os homens só tinham 200 reais.

Elaine Costa Silva, mãe de Yan Barros, relatou ainda que os maus-tratos tiveram início dentro da loja. “Chegaram a ser agredidos pelos seguranças, tomaram um monte de bicuda [chute], depois ele [Yan Barros] fez uma ligação pelo WhatsApp, o meu filho chorava muito, chorava muito, disse que ele estava tomando muita porrada pelos seguranças”.