Mãe que obrigava a própria filha a se prostituir tem final terrível

A Polícia Civil concluiu o interrogatório e indiciou por 2 crimes a auxiliar de serviços gerais, de 41 anos, que obrigava a filha, de 16 anos, a se prostituir. conforme a delegada Franciele Candotti, da delegação Especializada de abrigo à Criança e o Adolescente (Depca), como se tratava de um flagrante, a fiscalização conduziu as investigações no limite de 10 dias e encaminhou o relatório ao domínio judiciário.

"A menina confirmou que a mãe a obrigava a constituir os programas sexuais. Ela foi indiciada por favorecimento à prostituição e por dano corpóreo dolosa, já que agrediu a menina pouco anteriormente dela compor a acusação para a polícia. A mãe ficou presa um intervalo, mas, já passou por audição de custódia e teve a autorização provisória concedida",

+  Homem distribui currículos escritos à mão e recebe dezenas de propostas de emprego

Segundo Candotti, mesmo o interrogatório já expedido ao Ministério Público Estadual (MPE-MS), a polícia além disso aguarda o produto de laudos, para guiar após.

Menina diz que tinha que fazer pelo menos 3 programas por dia

Durante o testemunho, a jovem disse que, a partir de janeiro deste ano, a rotina dela era cuidar dos irmãos pela manhã, conforme a mãe trabalhava. Já no tempo vespertino, fazia "até três programas sexuais ao dia, agendados pela suspeita", sendo que a verba adquirido era para "auxiliar nas despesas da moradia".

+  Maria Zilda fala em live sobre os testes de sofá na Globo

"A menina chorou durante o testemunho e se mostrou irritada e nervosa por ter que descrever, redizer a narrativa, portanto nós tivemos bastante atenção. Mas ela passou por recepção psicossocial aqui na delegacia e disse que, desde janeiro, estava fazendo os programas durante a tarde. De manhã, tinha que cuidar dos irmãos menores quando a mãe trabalhava", comentou na oportunidade a delegada.

+  Pai fica arrasado com últimas palavras do filho antes de ser assassinado em atentado: 'Tchau papai'

Conforme a delegada, a mãe é quem "fazia o canal de domínio", mantendo trato com clientes através do WhatsApp e igualmente por um aplicativo de conversas. "Ela disse que o preço era de R$ 50 a R$ 80, sendo que 60% ficava para a mãe. São ao total 9 filhos, conforme a jovem, era cinco deles adultos e que não moram mais junto a mãe. Um deles ela não soube expor e o restante mora junto a mãe na mesma casa", explicou.


PRÓXIMO ARTIGO →

Deixe um comentário