Maria Zilda fala em live sobre os testes de sofá na Globo

Durante live com Oscar Magrini na quinta-feira (29), Maria Zilda Bethlem falou sobre a escolha dos atores para a Rede Globo. Em suas falas, ela apontou a troca de favores sexuais para que alguém pudesse conseguir um papel na Rede Globo.

Segundo o Notícias da TV, do portal UOL, Maria Zilda fez a afirmação depois que Magrini comparou seus antigos e novos personagens. Mais recentemente, participou da novela A Dona do Pedaço.

– Agora só faço pai e avô. Faço pai de marmanjo e marmanja. E daqui a pouco estou fazendo avô – comentou o ator.

Foi então que Maria Zilda acrescentou: “se eles escreverem papel para nós”. Ela lembrou ainda que já foi casada com o diretor Roberto Talma e, em seguida, entrou no assunto sobre o teste do sofá.

+  Ana Maria Braga rebate Bolsonaro e brasileiros aplaudem, "Não somos maricas, somos guerreiros"

– Meu amor, mas eles acham que não dá Ibope. Dá Ibope quem tem like no YouTube, quem tem o p**** grande e quem dá o r*** para o diretor. Você sabe disso. (…) Você trabalhou na TV Globo muitos anos e eu também. Eu entrei na Globo em 1975. Você não vai dizer para mim que eu não sei como aquilo funciona. Até porque eu fui casada com diretor. Então, eu sei muito bem como aquilo funcionava. Não é o teste do sofá. É o teste do c* – disparou a atriz.

+  Velório e enterro de João Alberto, morto no Carrefour, é marcado por revolta e comoção

Oscar acabou concordando com Maria Zilda.

– Isso acontecia muito. Hoje em dia, sabe o que é? Mesmo se o cara for dar o r*** e colocar o garotão lá, e o garotão for uma m****, ferrou – avaliou ele.

Continuando a conversa, Magrini disse que a atriz Cleyde Yáconis lhe contou em 1988 como o plano para conseguir uma vaga funcionou. Naquela época, Oscar era um aspirante a ator.

+  Auxílio Emergencial: Saiba quando receber a 6ª, 7ª, 8ª e 9ª parcelas

– Meu amigo disse: ‘Cleyde, ele quer fazer novela na Globo’. Ela não me conhecia. Em 1988, eu já era modelo. Ela olhou para mim e falou: ‘Para você entrar tem que passar no quartinho do PC’. Eu falei: ‘PC? Quem é?’. Ela: ‘É o quartinho do pó e do c*. Você cheira?’. Falei: ‘Não!’. ‘Você dá o c*?’. ‘Não!’. ‘Então, não vai entrar’. E ela deu risada. Uma senhora! Imagina – relatou Magrini.


PRÓXIMO ARTIGO →

Deixe um comentário