O inferno está vazio! Homem pede comida e recebe marmita cheia de carvão

O caso de um homem que pediu uma quentinha de comida pois estava com fome, acabou viralizando em todo o país. Tudo porque o que fizeram com ele, foi de uma maldade sem precedentes, a frase “não devemos negar nem um copo d’água e muito menos um prato de comida” nunca fez tanto sentido quanto nesta história.

O homem que chegou a pagar por sua comida, acabou recebendo algo inusitado. O senhor chegou em um restaurante e pediu uma quentinha, no entanto devido a sua condição intelectual, ele não entende bem o que está acontecendo ao seu redor, ou seja ele é meio que um adulto criança.

+  URGENTE: Jornalista é executado com tiros à queima roupa "Logo Ele"

E por conta disso acabou caindo em um golpe de muito mal gosto, e deixou muita gente revoltada. O senhor que foi comprar a sua própria comida, foi tratado de uma forma suja e cruel por vários funcionários do estabelecimento onde havia comprado a sua quentinha. O homem que atende pelo apelido de Bocão, recebeu carvão ao invés de alimento.

+  Bebê com poucas horas de vida é encontrado dentro de caixa de sapato em Salvador

Bocão chegou a pagar 10 reais, para receber carvão ao invés de comida, o que gerou grande indignação em quem estava com o senhor na hora em que ele abriu o marmitex. Foi apontado uma total falta de respeito pelo senhor, que aparenta ter problemas mentais.

O caso viralizou na web e os internautas ficaram furiosos com o acontecimento, e detonaram o local e as pessoas que fizeram tamanha maldade com o pobre homem. Os internautas afirmaram que não importa o valor da marmita, o mais importante é sempre atender as pessoas bem, se olhar se a pessoa tem condições ou ruins.

+  Homem em prisão domiciliar ataca companheira grávida com 22 facadas

Bocão ficou extremamente magoado com o que aconteceu com ele, e ficou sem entender o porquê de tamanha crueldade, sendo que ele nunca fez mal para ninguém, a polícia ficou de averiguar o que ocorreu devido a repercussão do caso.


PRÓXIMO ARTIGO →

Deixe um comentário