in

PAVOR: Homem mata amigo e caminha pelas ruas carregando a cabeça da vítima

Os últimos meses não tem sido nada fácil para os brasileiros, vimos muitas coisas ruins acontecedendo, além de enfrentar uma pandemia que  matou mais 167 mil brasileiros temos de conviver com a violência diária.

São casos de feminicídio, assassinatos de crianças e nuitos outros crimes absurdos, a cada dia um novo caso deixa a todos chocados. :E é exatamente isso que vemos neste crime em especial.

Moradores de Frutal no trinagulo mineiro se apavoraram ao presenciar uma cena aterrorizante, um jovem estava caminhando pelas ruas carregando uma cabeça humana. O jovem estava todo coberto de sangue e a cena presenciada mais parecia a de um filme de terror, em uma mão ela carregava a cabeça e em outra uma grande faca.

O jovem estava caminhando próximo as esquinas das ruas  Paul Harris e Chiquinho da Mata, localizadas no bairro Princesa Isabel na cidade de Frutal, foi entre essas esquinas que o suspeito matou o amigo e arrancou-lhe a cabeça.

Quando moradores avistaram a cena acionaram a PM (Polícia Militar), da cidade que chegando ao local encontrou a vítima morta, sem a cabeça e com as suas víseras espalhadas pelo chão. Não demorou muito para que o suspeito fosse localizado, o número 190 recebeu várias chamadas dando a localizalção do suspeito que estava andando pelas ruas com a cabeça em suas mãos e a arma do crime.

De acordo com os relatos ele havia se refugiado em uma casa no endereço  da rua Professor Carlos Justino, a cerca de 180 metros de onde estva o corpo da vítima. A PM foi até a casa do jovem que após uma lonhga negociação se entregou as autoridades sendo encaminhado ao hospital para exme de Corpo de Delito. Ele apresentava ferimentos ocasionados pela briga em seu corpo. 

Ainda houve uma outra vítma que ao que se relata temtou ajudar o homem qiuue foi morto, essa outra vítima sofreu um grave ferimento na região do abdomem que deixou suas víseras a mostra, o homem passou por um grande periódo de internação mas hoje passa bem.

O crime ocorreu no final de 2019, mas ainda aguarda julgamento, o suspeito continua preso e sua defesa alega que ele sofreu um suro psicótico e não esclareceu o que realmente o levou a cometer o delito.