Policial mata esposa e tira a própria vida em seguida no Distrito Federal

Cada vez mais o número de feminicídio no Brasil vem crescendo. Apesar do declínio do número em alguns estados, ainda há pelo menos cerca de 3 a 4 mortes diárias de mulheres no país. O feminicídio é uma das maiores causas de morte entre as mulheres. A maioria das mulher mortas foram executadas apenas por serem mulheres.

No Distrito Federal, um policial militar acabou matando sua esposa e logo em seguida tirando a própria vida. O crime ocorreu em Ceilândia Sul, na quadra na QNM 03. O policial tinha 42 anos de idade, e com a arma da corporação executou o crime.

+  Cuidado: “Mulher que se depila vai para o inferno" afirma Pastora Nadir

Os dois filhos do casal, um com 4 anos de idade e outro com 9, estavam presentes na casa no momento em que os disparos foram feitos, mas as crianças não foram feridas. Ricardo dos Santos Beserra era o 2° sargento, lotado do DLF (departamento de apoio logístico e finanças) da PMDF.

Segundo informações, o policial era muito próximo de todos e muito querido, aparentando ser uma pessoa bem tranquila e amigável, o que tornou o crime um susto para todos que o conhecia.

+  Jhennifer debocha de todos ao vivo ao entrar na sala de audiência

O irmão da mulher foi quem encontrou os corpos na residência. O mesmo teria ido até lá para se encontrar com a irmã, e acabou achando ambos os corpos no chão, então acionou a polícia. Pelo o que se sabe, Ricardo havia pedido 15 dias de licença, não se sabe ao certo o motivo. O policial não apresentava um quadro depressivo nem distúrbios e problemas psicológicos.

+  Mãe viraliza ao deixar filho brincar com boneca e usar fantasia de sereia

Devido à pouca informação e ao quadro emocional estável de Ricardo, não se sabe ao certo a motivação do crime e se foi por impulso, pelo fato de ele haver suicidado logo em seguida. O irmão informou que ao entrar, os corpos já estavam no chão e as crianças em casa. Ninguém soube informar algum possível motivo para a autoria do crime, executado pelo policial.


PRÓXIMO ARTIGO →

Deixe um comentário