Urgente: nova nuvem de gafanhotos se aproxima do Brasil, autoridades se preparam para enfrentar o terrível perigo

A argentina faz um alerta pra o Brasil já que a nova nuvem de gafanhotos está próximo do Rio Grande do Sul.

Na última sexta-feira (27), de acordo com  Serviço Nacional de Saúde e Qualidade Agroalimentar (Senasa) os isetos estão no momento nas cidades de Campo Viera e Itacaruaré, na província de Misiones, próximas as cidades do Brasil de Rincão Vermelho e Porto Xavier.

Técnicos de países vizinhos disseram que esse tipo de gafanhoto é diferente do que se aproxima do Brasil em agosto. Essa espécie é chamada de tucura e não costuma viajar longas distâncias, o que pode impedi-la de entrar no território brasileiro.

+  O mundo se despede de Diego Maradona, aos 60 anos de idade

Até o momento, esses insetos foram observados em três fazendas em Campo Viera e uma fazenda em Itacaruaré, mas não causaram grandes danos – apenas algumas lavouras de erva-mate registraram agressões.

Profissionais dos dois países estão monitorando as atividades dos insetos e pedindo aos agricultores dos dois países que avisem as autoridades sobre qualquer novidade.

+  Homem que matou pedófilo e salvou menino pede ajuda para não ser condenado: "Todos fariam o mesmo"

Desde o início deste ano, governos vizinhos monitoram nuvens de gafanhotos. Até agosto, 9 grupos de insetos se espalharam por todo o país, especialmente no norte da Argentina, perto da fronteira com o Paraguai.

No mesmo mês, técnicos argentinos conseguiram eliminar as nuvens  que tinha mais riscos ao Brasil.

Os gafanhotos são perigosos?

Senasa disse que, segundo o governo brasileiro, essa praga existe no Brasil desde o século 19. Embora seja uma praga rural, pode se tornar urbana e chegar às cidades.

+  Caso Henry: Vizinha faz depoimento avassalador sobre o dia em que Henry morreu; 'Gritos e mais gritos'

Mas esses insetos não afetarão a saúde de humanos ou animais, pois se alimentam apenas de plantas, não de vetores de doenças.

O principal perigo é os danos causadas nas plantações em geral, que afeta indiretamente a vida humana e animal.

Pode haver 40 milhões de gafanhotos em cerca de 1 quilômetro quadrado. O agrônomo argentino Héctor Medina disse à Reuters. que eles consumiram o equivalente a 2.000 vacas ou 35.000 pessoas por dia.


PRÓXIMO ARTIGO →

Deixe um comentário