in

Urgente: Vírus mortal encontrado na Bolívia gera preocupação entre autoridades

Um vírus mortal, que já fez vítimas na Bolívia, país que faz divisa com o Brasil, vem gerando grande preocupação pelo fato de ser transmissível entre seres humanos, necessitando de atenção das autoridades de saúde pública. Agora, os profissionais cuidam para que um novo surto seja evitado no futuro, alertando os pesquisadores nesta segunda-feira (16). Durante a realização do Congresso Anual da Sociedade Americana de Medicina Tropical e Higiene (ASTMH), o assunto foi amplamente comentado.

O vírus que vem gerando preocupação é chamado de Chapare e, no ano de 2019, infectou o total de 5 pessoas em uma região localizada perto da capital La Paz. Entre os 5 infectados, três deles acabaram falecendo. O micro-organismo já havia sido identificado nos arredores durante o ano de 2004, desaparecendo deste então e ressurgindo no ano de 2019.

Quando adentrado no corpo humano, o vírus afeta vários órgãos e causa febre hemorrágica, sintomas que se assemelham com o vírus do ebola. Entre os sintomas adquiridos pelos doentes, está a dor abdominal intensa, sangramento nas gengivas, vômito e, também, dor atrás dos olhos. Infelizmente, ainda não há nenhum tipo de tratamento contra o enfermo.

Controle da disseminação


Após os casos mais recentes virem à tona, rapidamente, infectologistas da Bolívia e dos Estados Unidos se mobilizaram com o intuito de estudar e conter a propagação da doença. O fato ocorreu com o apoio da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), algo que conseguiu ajudar no impedimento de disseminação, permitindo, também, que estudos fossem realizados. Os resultados de tais estudos foram expressos durante esta segunda-feira (16).

“Nosso trabalho confirmou que um jovem médico residente, um médico de ambulância e um gastroenterologista contraíram o vírus após contato com dois pacientes infectados. E dois desses profissionais de saúde vieram a falecer depois”, frisou o epidemiologista Caitlin Cossaboom, que completou: “Nós acreditamos que muitos fluidos corpóreos têm potencial para carregar o vírus”.

De acordo com o profissional, a transmissão do vírus entre humanos realiza um alerta para que qualquer cidadão lidando com a suspeita de ter sido infectada com Chapare evite contato com itens que podem estar contaminados com saliva, urina, sangue ou sêmen. Um médico que foi contaminado, de acordo com as informações, contraiu o enfermo após realizar o procedimento de sucção da saliva de um dos seus pacientes.